Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O drama americano.

por Fernando Lopes, 23 Mar 16

Aqui pela parvónia, em termos de presidentes, vivemos um drama inverso ao americano: Cavaco era tão mau, rodeado de tão má rês, que qualquer cão ou gato que o viesse substituir seria infinitamente melhor. Menos mal, calhou-nos em sorte uma pop-star. Obama é tão bom que o seu substituto nos parecerá sempre uma segunda escolha. Trump é inqualificável, um redneck em versão milionária. Desconfio de Hillary. Uma mulher que não é capaz de manter a pila do marido dentro das calças, e após um escândalo global não tem a coragem de o por porta fora por ambição política não me parece um exemplo de carácter para governar o país mais poderoso do mundo. A América e o mundo ficariam melhor servidos com Bernie Sanders.

Autoria e outros dados (tags, etc)

11 comentários

De Um Jeito Manso a 23.03.2016 às 09:01

Homessa! Então agora uma mulher é responsável pelo que o marido usa dentro ou fora das peças de vestuário...? E se uma mulher desculpa ou se marimba ou o que for para as peripécias do marido já não é capaz de exercer bem cargos públicos...? Homessa!

De Fernando Lopes a 23.03.2016 às 10:20

As infidelidades são deles e só a eles dizem respeito. Compreendo-as se são produto da paixão. Acontece. Se Hillary fosse uma mulher de fibra tinha posto o Bill para correr em vez de ficar num casamento que soa de conveniência e perpetuação dinástica de ambição de política. Como sabe, ao contrário de Portugal, uma divorciada nunca seria eleita presidente.

De Inês a 23.03.2016 às 10:11

Vinha aqui dizer o que já disse a Jeito Manso. É isso mesmo.
No entanto, também preferia o Bernie Sanders. As razões é que são diferentes.
Beijinhos
Inês

De Fernando Lopes a 23.03.2016 às 10:23

A minha humildade opinião está na resposta acima. 


Beijo.

De golimix a 23.03.2016 às 10:39

Aquilo é só política de fachada. Há umas poucas de séries televisivas, americanas, que retratam exactamente isso.

De Fernando Lopes a 23.03.2016 às 18:59

Vivemos num mundo de aparências e ilusões, seria difícil a política escapar.

De redonda a 24.03.2016 às 01:43

Completamente de acordo com o que disse a Um jeito manso!
Posso não simpatizar com a Hillary, mas para as eleições deverá ser julgada pelas suas aptidões para o cargo e não pelo comportamento do marido e/ou pela forma como reagiu a esse comportamento!

De Fernando Lopes a 24.03.2016 às 02:14

Registado. Suponho que me serão permitidas uma ou outras descaída machista... :)

De redonda a 24.03.2016 às 02:30

uma ou duas, só ... :)

De Celia Abreu a 27.03.2016 às 00:59

Hã?! Esta correu mesmo mal...Já tudo foi dito!<br />:-)

De Fernando Lopes a 30.03.2016 às 15:56

Discordo, Célia. Respeito a opinião alheia o que não quer dizer que não mantenha a minha. Se Hillary não tivesse ambições políticas intimamente ligadas à carreira do marido, se fosse mulher de fibra, tinha-o posto para correr e com ele dava um pontapé nas hipóteses de ser eleita presidente. 


P.S: - Sei que a carreira de Hillary se iniciou antes da de Bill, mas foi «incipiente».

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback