Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O assédio invisível.

por Fernando Lopes, 15 Jan 18

 

Todo o ruído criado à volta de hollywodesco assédio diz-me pouco. Não que o não condene, mas inspira-me pouca preocupação que starlettes venham bradar aos quatro ventos que foram assediadas. A maioria delas seriam adultas, capazes de se defender e de dizer não. Estava em Cedofeita, esplanada do costumes. Uma jovem com pouca mais de 20 anos contava à avó como uma colega sua, ainda menor, tinha recebido uma proposta financeira para ir para a cama com um homem mais velho, não sei se patrão ou cliente de algum estabelecimento onde a jovem trabalhava. Percebia-se pelas roupas e jeito de falar que eram gente de origem humilde. Havia ali um sentido de inevitabilidade, como se ser jovem, bonita, e precisar do emprego a(s) levasse a aceitar aquilo. Que o assédio vem quase sempre de quem tem ascendente sobre o outro é normal, anormal é que miúdas que precisam de trabalhar, pensem com fatalismo, que serem assediadas é algo a que se não pode fugir, para não perder o trabalho. Essas jovens, com pouca maturidade e muita necessidade, raramente se queixam. Fico a pensar que também esta história do assédio é muitas vezes uma questão de classe social. Era assim nas fábricas, é agora, nesta era pós-industrial, nas boutiques e cafés da moda. Assedia quem pode, cala quem necessita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

10 comentários

De Fernando Lopes a 20.01.2018 às 17:32

As pessoas devem poder vestir-se como lhes apetece, embora adaptando-se à situação social em que se encontram. Não sou grande adepto de dress codes restritivos, excepção feita ao local de trabalho. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Um facto alegre, não deve cegar para os problemas ...

  • Anónimo

    Um desabafo triste num dia que, para mim também, d...

  • Fernando Lopes

    Obrigado, Henedina. Reúno uma qualidade essencial ...

  • Henedina

    E tenha...um bom dia!