Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Meu Deus, fui «piropeado».

por Fernando Lopes, 31 Jan 17

 

Confesso que já me não acontecia desde finais dos anos 80, início dos 90. Uma rapariga mandou-me uma piada ininteligível e uma tentativa de assobio – é por todos sabido que as raparigas que assobiam alto não casam. Olhei à volta para ver se era mesmo comigo, a moça sorriu com ar malandro. Ultraje! Procurei um bófia para fazer queixa, mas é sabido que as FdaP das autoridades nunca aparecem quando delas necessitamos. Queria seguir conselho dos camaradas do Bloco, ser o primeiro macho a apresentar queixa por ter sido piropeado. Senti-me ridículo e apercebi-me do que já aqui tinha escrito. Um piropo, desde que não seja ordinário ou vulgar, não traz mal ao mundo. Outra verdade é que os papéis de género já não são o que eram, nos dias de hoje uma mulher pode mandar uma piada a um homem sem que caia o Carmo e a Trindade por causa disso, e sem que o visado – neste caso o vosso humilde escriba – se sinta ferido, objectificado, sexualizado, e uma série de advérbios que a boa esquerda usa em circunstâncias análogas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

13 comentários

De Ana A. a 31.01.2017 às 20:05

O piropo fez-lhe bem ao ego! Óptimo! 
Mas para perceber o alcance da objectificação e da sexualização, era preciso que o Fernando alguma vez tivesse estado na pele de uma mulher que tenha sido coisificada, sexualizada e já agora porque não, abusada!
Eu sei que não se deve exagerar, mas há temas que são demasiado sensíveis e que podem causar desconforto ao sexo feminino. O lamentável é haver "grunhos", que infelizmente, dão sentido às leis que nos parecem "frescuras de feministas mal resolvidas"!

De Fernando Lopes a 31.01.2017 às 20:13

Ana, escrevi «Um piropo, desde que não seja ordinário ou vulgar». Uma coisa é uma brincadeira, outra o insulto, o mau-gosto, a falta de educação, de respeito pelo outro. Distingo-as bem e nunca por nunca me verá defender a grunhice. 

De Does a name Matter a 31.01.2017 às 20:46

Olá! Quer-me parecer que alguma "Bridget Jones" passou por si e disse... "Ding-dong" o Fernando não deve ter visto o filme, mas eu adoro essa expressão dela. Da Bridget, claro! Olhe e ainda bem, sabe? As mulheres também não são cegas! A pequena lá engraçou consigo e diga-me cá: não ficou bem disposto para o resto do dia? Faz tão bem à alma, ao ego. Acho, que até é bom para a pele  desde que seja educado e até com um ponta de graça, é tão bom ser piropeado! Não que eu seja uma adepta das mulheres se "fazerem" aos homens, mas... vá, lá! É preciso ver o contexto em que é feito. E como diz: Não vem mal nenhum ao mundo. Todo o mal fosse esse! Fico contente por si. Está a ver... há quem ainda o ache aí para as "curvas" e se calhar para as "rectas". Boa Fernando! Assim, é que é!

De Fernando Lopes a 31.01.2017 às 21:15

Tratou-se de uma brincadeira perfeitamente inocente. Embora compreenda o que subjaz às preocupações femininas, acho melindroso legislar sobre comportamentos, mesmo os insultuosos, daí que não seja grande adepto da lei do piropo. Vale o que vale.

De Genny a 31.01.2017 às 21:20

Eheheheh agora tens que fazer mais duas horas de ginásio, para desinchar.

De Fernando Lopes a 31.01.2017 às 21:22

Os tempo em que era «papável» ficaram bem lá atrás, ninguém melhor que eu tem consciência disso.

De Inês a 01.02.2017 às 10:58

Pelos vistos não! 
Quanto à lei dos piropos, é uma palermice. Como está dito, e bem, o piropo não é nenhum insulto ou falta de educação. Quando passa a ser, também deixa de ser piropo.
Beijinhos
Inês

De Fernando Lopes a 01.02.2017 às 12:09

Muito bem dito, Inês. Não podia concordar mais.

De Anónimo a 01.02.2017 às 12:27

Não sou nem nunca fui pretensiosa, mas uma das coisas  de que o avançar na idade me libertou, foi dos piropos. 
Tenho dito!
MM

De Fernando Lopes a 01.02.2017 às 12:34

Há por aí muito cegueta. Estamos a falar de brincadeira, não de mau gosto.

De lucilia a 01.02.2017 às 22:44

ahah ontem na estação de S.Bento vi um cavalheiro parecido consigo -como sou péssima a reconhecer pessoas que só vejo nas fotos esqueci. Se um dia tiver a certeza acredite que lhe assobio -só para me rir

De lucilia a 01.02.2017 às 23:03

Eu acho sempre graça aos piropos -rio pra dentro quando estou só,quando são "fortes" finjo que não ouço, quando estou com uma amiga fazemos um filme. Levar a sério um piropo é como levar isto a sério -descodifiquemos!...

De Fernando Lopes a 01.02.2017 às 23:20

Ando mais pela Boavista, mas assobie a quem lhe apetecer, vai ver que com esse modo descontraído, quase infantil, ninguém se ofenderá com o seu piropo.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback