Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Manual de engate.

por Fernando Lopes, 26 Ago 14

Se estás entre os 40 e 50, between girls, a tua mulher te deu com os pés, saíste de casa para comprar cigarros em 2003 e ainda não voltaste, ou simplesmente, não tens sorte ao amor, compilei alguns sábios conselhos que te poderão ajudar a encontrar a mulher dos teus sonhos.

 

 - Depila-te. Estranhamente, no meu tempo só se gostava dos frangos sem pêlo, eram até passados por álcool para queimar a penugem. Hoje em dia os homens são como os frangos, totalmente depilados – até no pinto – e com uma barba de dois dias. Pode parecer estranho tirar pilosidades num lado e deixá-las crescer noutro. Habitua-te, é moda.

 - Vai ao ginásio. És do tempo em que bastava um palminho de cara e dois dedos de testa? Hoje tens de ter os abdominais do Cristiano Ronaldo, mesmo que nunca pretendas lançar a tua linha de cuecas. Toma injecções de testosterona, malha duas horas de manhã e duas de tarde, come só saladas. Se não tiveres o corpo perfeito não vais lá.
 
- Aprende a cozinhar. Contentas-te com um bife ao almoço e fazes uma sanduiche de atum quando chegas a casa? Nunca mais vais dar uma queca. No tempo que corre é afrodisíaco saber cozinhar. Nunca digas que fizeste molho, é uma redução, usa ervas estranhas como poejo e rúcula e mantêm presente que a comida pode estar um lixo, mas se usares nomes sofisticados e ingrediente que ninguém conhece, e «empratares» - esse novo verbo - com arte, nenhuma rapariga vai querer fazer figura de patega e achará os teus manjares divinais.

- Diz a maior barbaridade com o ar mais convicto, resulta sempre. Podes não saber do que estás a falar, mas se o disseres com convicção é como o código postal, meio caminho andado. A garina é doutorada em física-quântica? Diz-lhe que te interessas por tudo o igual ou menor que um constituinte básico da matéria. Exprime a tua admiração por Planck e estás safo. Funciona também no trabalho, há quem faça carreiras brilhantes a dizer barbaridades com ar seguro.

- Mostra-te sensível. Só choras quando o Benfica perde? Exige-se uma mudança de atitude. Adorarás o gato horroroso que ela tem em casa, «é quase humano», confessa que não consegues ver o Bambi sem chorar, fala no minimalismo de Mondrian e Kandinsky, confidencia que verteste copiosas lágrimas quando assististe a «As Palavras Que Nunca te Direi».

- Preocupa-te com uma coisa chamada Life & Style. Antigamente não existiam revistas a indicar-te quais os lugares da moda, os bons hotéis, os restaurantes onde deves comer. A Time-Out mudou isso tudo. Hoje, um papalvo precisa que lhe digam o que ler, ver, ouvir, os locais a frequentar. Nunca entendi em pleno o conceito Life & Style, mas acho que essencialmente é: vai aos bares da moda que especialistas aconselham, usa o perfume que eles dizem, vai papar onde possas ver e ser visto, frequenta as exposições que eles acham boas.  Se disseres que preferes o Eça ao Peixoto ou as chamuças do Café Pereira à tosta de cavala com pesto, estás perdido.

 

Vai, meu filho, e segue estes conselhos que eu vou fazer tudo precisamente ao contrário. Assim como assim já cheguei a uma idade em elas só vêem em mim um amigo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

10 comentários

De Ricardo Gonçalves a 26.08.2014 às 09:32

Camarada Fernando, não deixando de concordar que o acima descrito é o standard da coisa. E sabendo que eu estou em fase de pós-graduação relativamente ao tema, posso-te descansar. Mantem-te tu mesmo. Não te depiles. Trata da tua saúde, isso sim é importante. Mantem-te interessado depilando-te de coisas e pessoas sem interesse. Se por acaso, como é o teu caso tens sentido de humor, isso é o único equivalente no universo a seres alto, giro e rico. No resto, o mercado está de tal forma saturado de mulheres sós, que, e sem grandes juízos de valor, o primeiro que aparece marcha.....
Concluindo, para jovens sobre o baixo, com pêlos em locais vários e que preferem sítios onde se coma e beba a montras para ser visto, que acham que tudo ainda está para acontecer, o mercado nunca foi melhor. O resto é tal como dizes, o circo da ilusão, do que parece mas não é, e (deixa-me apesar de incréu dizê-lo) Graças a Deus ;) um dia o trigo salta todinho fora do joio. Portanto há que ler, aprender, continuar a acordar cada dia como se fosse o primeiro e o ultimo e a saber colocar o que é realmente importante nos sítios merecidos. Amizade, Família e, vá lá, trabalho porque a gente tem que viver. Um Grande Abraço deste que te tem em muita e elevada estima e Amizade inegociável, e aparece um dia destes para uma comidinha de gente regada com vinho heterossexual. Aos 26 de Agosto de 2014, desde aquela aldeia que resiste ainda e sempre ao invasor....   :)

De Fernando Lopes a 26.08.2014 às 14:13

Camarada, este exercício de humor ocorreu-me pelo facto de os padrões «Cosmopolitan» estarem a encher a cabeça das moças. Tipos com inteligência nunca se vergam a ditames, sejam eles quais forem, e quem procura um «toy boy» em vez de um homem merece-me o mesmo respeito que os velhadas de Barbie ao braço. Somos de outra colheita, a dos que pensam pela sua cabeça, e isso nunca estará fora de moda.
Image

De Alice Alfazema a 26.08.2014 às 10:05

Imagetirando o aprende a cozinhar, o que acho muito, muito, muito, importante, tudo o resto daria uma bela serie...

De Fernando Lopes a 26.08.2014 às 14:17

Essa importância desmedida atribuída à capacidade de cozinhar transformou chefs nos novos sex-symbol. Mas sei bem que no dia-a-dia é importante dividir tarefas e que hoje em dia é preciso um tipo que se desenrasque na cozinha.

De O Abominável Careca a 26.08.2014 às 21:27

Bom...
Se alguma vez ficar divorciado ou viúvo o mais certo será acabar sozinho porque segundo o "novo" manual do engate nunca serei capaz de "assimilar" tantas competências nem requisitos exigidos para tornar a ser "feliz"! 


P.S.: O que se faz e escrever para vender papel...Image

De Fernando Lopes a 26.08.2014 às 21:58

Esperando que essa possibilidade nunca aconteça dou-te um mote que sigo: «Expect the best, be prepared for the worst, fuck what others think and do your own thing». 

De .. a 27.08.2014 às 16:41

Confesso que li, como sempre adorei o conteúdo, dos pézinhos " à cabeça, com ou sem pelo... Não o comentei, mas fiquei a deixá-lo "assentar." Pelo que regressei também, e não só, mas por tudo o que aqui está irónica e inteligentemente escrito, descrito ser na integra, partilhado por mim.  No entanto, o Fernando por favor desculpe, ter este tipo de atitude no seu blog, mas tinha também de deixar (pelo menos quanto a mim, para lá do que se pense e diga) algo sobre a resposta do seu amigo Ricardo quando aponta a certa altura que "...No resto, o mercado está de tal forma saturado de mulheres sós, que, e sem grandes juízos de valor, o primeiro que aparece marcha..." Centrando-me nisso, diria que será preciso andar muito desesperada ( e com os juízos de valores abaixo de zero) para "marchar" qualquer coisa! Nem todas passam lá perto da Rua da Amargura, nem tampouco, muita mulher funciona tipo as pombinhas da Catrina (lá vai uma, lá vão duas, três...) o que na realidade afinal é verídico para a maioria, se virmos o que acontece na actualidade, temos de dar a mão à palmatória isto ser a visão de um homem. De muitos mais talvez. Hoje "nada" exige muito esforço. As mulheres estão muito pouco exigentes, completamente embrutecidas e ofuscadas pelos brilho das "luzes," tamanho de salto, medida da perna, altura do short. Alguns conceitos e conselhos de "pacote," portanto para muitas a marca "trigo limpo," "farinha Amparo" é o que está a dar.
É triste! Porque as que ainda "querem mais" ou procuram algo diferente são sempre apelidadas de alguma coisa bela e à altura porque "não facilitam." De certo modo magoa-me (até porque tenho duas filhas que me orgulho de serem duas MULHERES lindas e inteligentes, bem como sensíveis e inteligentes mas como não "marcham" é aquela... Vão vendo marchar. ) E mesmo que me deixe um pouco contente por ver, que afinal o que por vezes digo e penso, mesmo sendo mulher, não nada muito longe do que verdadeiramente os homens acham. O certo é que eles engrossam as filas da "marcha." Marcham a rigor sem também grandes exigências ou perguntas, o que nos deixa numa sociedade de???!!! Mas de certa forma compreende-se o comportamento masculino, não o aceito ao contrário, desculpem mas não! Antigamente nem o tornozelo se via, namorava-se da janela. Quanto mais cheirassem a cavalo melhor. Uma camiseta de rede, sem mangas, num tipo peludo de barriga proeminente era "aceitável" (que nojo) esqueci-me do palito ao canto da boca, a brilhantina no cabelo e o arroto no fim da refeição, mas hoje???!!! Afinal qual é o meio termo, ou o ponto de equilíbrio? Há dias em que detesto ser mulher. Naqueles em que me desfilam na frente dos olhos algumas "coisas" que simplesmente não entendo como e o que pretendem afirmar ao ser assim. E o mal é que por uma, pagam todas. Desculpe mais uma vez o testamento, mas tinha de me "expressar" ou ficava "entalada" e não queremos ninguém em stress ou aflição não é? Isto é mesmo só partilha, são conversa e ainda bem que se vão trocando pontos de vista e enriquecendo a amizade e consideração que vamos tendo por poucos. Bem haja Fernando mais uma vez pelo excelente post e tudo de bom para todos! 

De Fernando Lopes a 27.08.2014 às 19:11

O sexo pelo sexo há muito que deixou de ser uma atitude exclusivamente masculina. Pessoalmente, sexo lúdico é coisa que não me atraí por aí além, mas aceito com bonomia quem não pense ou sinta como eu. Os meus valores valem o que valem, não faço juízos, sei que a felicidade surge muitas vezes por caminhos tortuosos.

De Gaffe a 01.09.2014 às 17:42

:)))
MAS esta caracterização traz danos colaterais: As mulheres que se deixam engatar por este tipo. Faz com que pareça que trazem na cabeça apenas a cabeleira farta e volumosa. São de plástico e não se apercebem que são ignoradas por completo quando a musculatura atinge proporções demasiado narcísicas.
Acredite que as mulheres que valem a pena (as espertas, as que vos fazem esquecer que existis) escolhem para companheiros de viagem, sempre escolheram, outros homens.
É curioso verificar (e eu verifico muito...) que o tipo que caracteriza aqui se vai tornando cada vez mais difícil de encontrar acompanhado por mulheres reais, mulheres que são o oposto das "pitas" de plástico. Creio que os homens já entenderam isso e começam a aparecer e a parecer "normais".

De Fernando Lopes a 01.09.2014 às 18:44

Toys boys para barbie girls. :) Não desvalorizo a atracção física numa relação, bem pelo contrário. És ainda muito jovem, mas com a idade tenderás a valorar alguém que seja em simultâneo uma boa pessoa e uma pessoa boa, o que nos leva aos supremo paradoxo do envelhecimento: «a idade torna-nos menos desejáveis mas mais exigentes». 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback