Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Homens de Vénus e Mulheres de Marte.

por Fernando Lopes, 7 Mar 17

Nunca li «Os Homens são de Marte, As Mulheres de Vénus» de John Gray, e os livros que procuram tipificar, compartimentar, comportamentos humanos, não são algo que me interesse. Logo aí fujo ao estereotipo e coloco-me como macho de características venusianas. Marte, deus da guerra, Vénus ou a sua versão grega Afrodite, a deusa do amor. O título do livro transformou-me numa espécie de aforismo, como se as diferenças entre géneros não fossem ténues e casuísticas. Associam-se aos homens o belicismo, agressividade, uma tendência para a racionalização em detrimento do sentimento, para as mulheres o mundo é mais de emoções e menos de razão, mais de amor menos de guerra. Numa qualquer resenha, tipifica-se que os homens são mais reservados, as mulheres confessionais. Devo ser hermafrodita. Não nego ocasionalmente existiam em mim comportamentos agressivos, mas de uma forma geral considero mais meus o modo de ver e sentir associados às mulheres. Também conheço mulheres que terão padrões e atitudes predominantemente considerados masculinos sem que com isso percam um pingo de feminilidade. Vénus e Marte, Marte e Vénus, temos a cosmologia completamente baralhada. Felizmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

7 comentários

De Lucília a 08.03.2017 às 08:14

Os homens têm muito medo de se assumirem femininos não sabem  eles que ficam mais homens assim. (Reconheço que não é fácil ser livre numa sociedade cheia de preconceitos)
Fernando veja o documentário Dzi Croquetes.  Uma afronta ao Brasil ditador e repressor na altura e um espetáculo de uma qualidade assombrosa fe dança e humor.Adorei descobrir esse doc. Um abraço -seja, sem constrangimentos.

De Fernando Lopes a 08.03.2017 às 11:03

Os universos feminino e masculino não são estanques, as mais das vezes cruzam-se, outras caminham em paralelo. Penso que sao menos dicotómicos que  o que aparentam 

De Anónimo a 08.03.2017 às 09:38

A tua afilhada troca de género como eu de roupa: dia sim dia não. Ontem esteve a desmontar um tampo de sanita teimoso enquanto praguejava como um estivador depois de uma litrada de tinto de pacote.
Filipe afortunado do camandro

De Fernando Lopes a 08.03.2017 às 12:48

Os papéis de género já não são o que eram. Enquanto ela fazia bricolage tu andavas às voltas com a janta, certo?

De Anónimo a 08.03.2017 às 13:20

Tendo eu o sistema multi-tarefas semi-avariado faz muito ainda consegui fazer-lhe chiu várias vezes porque a mais nova estava por perto e ainda assim adiantar a janta.
Filipe sem descanso

De Genny a 08.03.2017 às 09:54

Bom dia, Fernando!
Aquela velha máxima de que "os homens não choram...", como se fosse isso que os fizesse menos ou mais homens. Acima de tudo deveríamos ser pessoas.

De Fernando Lopes a 08.03.2017 às 12:49

Acima de tudo somos pessoas. E eu um chorão do caraças.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • redonda

    Talvez ajude ir com alguém muito próximo, com quem...

  • Fernando Lopes

    Olhar fixamente pode ser intimidante, mas não é is...

  • Anónimo

    Mas olhar directamente pode ser muito intimidante ...

  • Fernando Lopes

    Agradeço o abraço e retribuo ainda com mais vigor....