Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eutanásia animal.

por Fernando Lopes, 10 Fev 18

Não tenho nenhuma certeza, sequer opinião, sobre eutanásia, excepção à minha, que tenho a ideia de praticar se algum dia a dor se tornar insuportável. Mas pode acontecer de me acobardar, agarrar-me à vida, a uma esperança inexistente.

 

Há uns anos tive de pedir que abatessem o meu cão, Fred de seu nome, que me acompanhou durante treze anos. Não estive com ele nos momentos finais, fugi dali a chorar. Hoje foi a vez do Lucky, um dogue alemão de catorze anos, cão da minha sogra. Como ninguém tinha coragem para o acompanhar, voluntariei-me. Nem um grão de arrependimento. Ao contrário do Fred, que estava catatónico, o Lucky ainda estava orientado. Reconheceu-me, lambeu-me as mãos, tentou deitar-se de barriga para o ar para lhe bater na peitaça como costumava fazer.

 

Decidi não chorar ou ser dramático. Afaguei-o, disse-lhe que era um cão grande e tonto, chamei-lhe feioso, exactamente como ele gostava que o mimassem num dia de sol.

 

Não houve drama, morreu sendo acarinhado e ouvindo-me murmurar-lhe ao ouvido – Lindo menino, o Lucky é lindo. Se passasse pelas mesmas circunstâncias, fá-lo-ia de novo. Partiu para o céu dos cães e deve estar nas correrias com o Fred.

Autoria e outros dados (tags, etc)

28 comentários

De Flor a 11.02.2018 às 09:37

Com o tempo, vamos aprendendo. Ou a carapaça se torna mais forte. Não sei. Já passei por aí, também já me controlo um pouco mais. Creio que aprendi a aceitar a inevitabilidade da vida.


Abraço

De Fernando Lopes a 11.02.2018 às 10:47

Acho que aprendi a aceitar a inevitabilidade que é a morte, e como, às vezes, só às vezes, é a única solução possível.

Grande abraço.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback