Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Eterno retorno.

por Fernando Lopes, 14 Jun 17

Sabem os meus queridos leitores que a sopeira que existe em mim gosta de comédias românticas. São simples, acabam quase sempre em finais felizes, não te obrigam a questionar, pensar, apenas a fruir uma «estória» de cacaracá.

 

Ontem a emprega doméstica residente em Fernando pôs-se a ver um filme no AXN White. A historinha era sobre dois casais de namorados da faculdade que se (re)encontram uma década passada e inadvertidamente querem voltar ao passado em que já foram felizes.

 

Uma questão de treta que a todos assola. Fizemos bem em deixar a Maria e casar com a Carolina? Como teria sido? Somos felizes ou apenas conformados? E se? Perguntas sem resposta, as coisas mudam, as pessoas mudam, o tempo muda-nos. Ou talvez não. O que se busca neste reatar de relações passadas é a felicidade, a ingenuidade perdida, o verdadeiro amor? Incapaz de responder, deixo apenas questões à vossa consideração.

 

Como nota de rodapé, assumo que um dos meus livros favoritos é «O Amor nos Tempos de Cólera» a obra mais poética que conheço sobre a imutabilidade do amor e de como este nos pode salvar mesmo já quando nada o fazia prever.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

11 comentários

De redonda a 20.06.2017 às 00:45

Também é um dos meus livros preferidos e o meu preferido do autor (muito mais do que Cem Anos de Solidão)
Como não deixei a Maria e não casei com a Carolina não faço ideia de como responder à questão, talvez faça parte de nós querermos simplesmente voltar a tempos em que fomos felizes, ainda que lá não estivesse Maria nenhuma

De Fernando Lopes a 20.06.2017 às 01:17

Éramos mesmo mais felizes ou apenas mais jovens e despreocupados? 

De redonda a 20.06.2017 às 02:02

olhando para trás, acho que sempre fui meio preocupada mesmo em criança (ainda que depois pareça que não eram preocupações sérias, para mim eram-o, cheguei a ter pesadelos uma ou duas vezes, o que comigo felizmente não é comum), mas lembro-me de uma altura em que fui mesmo muito feliz (pouco depois de ter começado a trabalhar e ter conhecido alguém muito especial)  e a essa altura gostaria de voltar

De Fernando Lopes a 20.06.2017 às 07:50

Compreendo-te, uma vez ou outra todos sentimos algo idêntico.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback