Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cágado de pernas para ao ar.

por Fernando Lopes, 1 Fev 14

O amor, como a vida, nunca é perfeito. Às vezes, demasiadas vezes, foge aos melhores. Nunca se entende bem o porquê, será o que pomposamente designam por «mistério das relações». Fosses tu desbragado, mulherengo e putanheiro, terias quem sabe, mais sorte neste jogo de resultado imprevisível. Não interessa se se perde, mas o empenho com que se luta. Hoje, desorientado, a ver o mundo ao contrário, como um cágado de pernas para o ar. Amanhã, volta dada, a caminhar lentamente no sentido certo. Homem que é homem, dos duros – e eu sei que és – nunca desiste de amar. Precisa de tempo para dar a volta, e lentamente, recomeçar a caminhar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

15 comentários

De henedina a 01.02.2014 às 00:36

Perfeito.
ou Nunca é perfeito.

De Fernando Lopes a 01.02.2014 às 00:44

Prometo não falar de amor de gostar e sentir
Portanto não vou rimar com dor um mentir
Joga-se pelo prazer de jogar e até perder
Invadem-se espaços trocam-se beijos sem escolher
Homens temporariamente sós / que cabeças no ar
Não retratos de solidão interior
Não há qualquer tragédia / Mas um vinho a beber
Partidas regressos conquistas a fazer
Tudo anotado numa memória que quer esquecer
Homens sempre sós preferem perder
Homens sempre sós são bolas de ténis no ar
Muito abatidos saltam e acabam por enganar
Homens sempre sós nunca conseguem casar


http://youtu.be/4vUCGoalJoo

De Jorge Castro Pereira a 01.02.2014 às 01:20

Meu filho da... (afinal, também sou do Porto!), boca desbragada; de palavra certa. Meu amigo.
É assim o amor! "Para sempre é quase sempre por um triz", ou, com quase toda a certeza, por muito. Será que tem de resultar sempre em desastre? Talvez sim.
Como dizes, o mundo está de pernas para o ar, para mim claro. Para já está cinzento, veremos que mais tem ele para nos revelar.
Uma coisa eu sei: tu estás por aí. E essa, sim, é uma bela forma de ajudar este velho cágado.

Obrigado

De Fernando Lopes a 01.02.2014 às 11:58

Vamos beber um copo ao amor, à queda, ao levantar-se, ao sacudir o pó e continuar a caminhar?

De henedina a 01.02.2014 às 21:56

Homens temporariamente Sós. Sim, se é homem é mesmo, muito, temporariamente e, mesmo assim, com intermitências.

De Fernando Lopes a 01.02.2014 às 22:32

Mea culpa. Num dos raros momentos confessionais do blogue (ironia), admito que não sei viver só, nem vejo mérito nisso, só desolação. Gosto dos meus momentos de solidão, mas amar e ser amado é tão importante como respirar. Assim é desde os meus 16 ou 17 anos e se por força das circunstâncias tivesse de viver sozinho, rapidamente cairia na depressão ou heavy drinking. Mas isto sou eu ...

De henedina a 01.02.2014 às 22:47

Magister dixit!

De Jorge Castro Pereira a 02.02.2014 às 21:15

As generalizações são sempre perigosas. A facilidade com que se erra é grande.

Sim (isto é para o "dono do estaminé"), vamos (ou vens/vêm) beber um copo. 5ª?

De Fernando Lopes a 02.02.2014 às 21:31

It's a deal.

De henedina a 03.02.2014 às 00:55

"viver só, nem vejo mérito nisso". O problema não é ver mérito é ver desmérito no contrário.

De Fernando Lopes a 03.02.2014 às 19:02

Desolação é bem diferente de demérito, henedina. É o meu modo de ver/sentir, não vale mais que isso.

De golimix a 03.02.2014 às 08:37

A solidão é para quem não vê esperança na humanidade e não sabe amar.Digo eu...

De Fernando Lopes a 03.02.2014 às 19:08

Pode ser uma circunstância ou uma opção consciente, não sejas tão definitiva.

De golimix a 03.02.2014 às 19:31

Pois... tens razão.

De henedina a 03.02.2014 às 21:43

É deve ser isso golimix. Não sei amar.
(e até acho muita graça que amar seja estar com algum sucedaneo do que sonhamos apenas por causa da solidão, NEVER)

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • redonda

    Talvez ajude ir com alguém muito próximo, com quem...

  • Fernando Lopes

    Olhar fixamente pode ser intimidante, mas não é is...

  • Anónimo

    Mas olhar directamente pode ser muito intimidante ...

  • Fernando Lopes

    Agradeço o abraço e retribuo ainda com mais vigor....