Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Apenas um pouco só.

por Fernando Lopes, 1 Mar 17

Talvez por ter sido criado como se de filho único se tratasse, habituei-me a estar só. Não desgosto do facto, mais por circunstâncias que por personalidade, estar só, passou a ser o meu normal. Muitos acham-me extrovertido, bem disposto, alegre até. Talvez o seja porque em mim existe a necessidade de ser amado pelos outros, de ter quem goste de mim, quebrando assim esse ciclo de ensimesmamento. Depois encerro-me na gaiola dos meus pensamentos, desejos, sonhos. Vivo num mundo real de que me desligo sempre que posso. Para onde fujo? Para os livros, filmes, estórias, para as ruas desta cidade que me falam como se de gente se tratasse. Não sou solitário, estou apenas um pouco só.

Autoria e outros dados (tags, etc)

15 comentários

De Lucília a 01.03.2017 às 07:29

Podia ter escrito isto mas no meu texto existiriam seis irmãos (a solidão é igual...).Fernando, digo.lhe, o que nós poupamos em psis e medicamentos. Eu "desconfio" de pessoas que não conseguem estar sós.
Um beijinho

De Lucília a 01.03.2017 às 07:32

Ressalva - Não, não sofro de solidão.

De Fernando Lopes a 01.03.2017 às 18:29

Gosto de estar só. Aliás, não tenho a certeza desse facto, mas acho que me habituei de tal forma que passou a ser da minha natureza.

De Genny a 01.03.2017 às 11:12

Bom dia, Fernando!
Eu ando, praticamente, sempre sozinha. E compreendo esse "um pouco só..."

De Fernando Lopes a 01.03.2017 às 18:31

Eu também. Às vezes, só às vezes, apetecia ter uma companhia das que valesse a pena. As que nos são socialmente impostas normalmente são uma desgraça.

De Anónimo a 01.03.2017 às 13:16

Fui assim durante muitos anos. Agora aterrou em mim uma mulher que desconhece a palavra só. Está, contudo, sempre a dizê-la: "só?!"
Filipe acompanhado


De Fernando Lopes a 01.03.2017 às 18:33

Estou-te a ver, és um António Nobre em potencial. :)

De Anónimo a 01.03.2017 às 13:40

Tive um período na minha vida de grande solidão e sempre te digo que a solidão me apavora. Mesmo! Tu tens grande facilidade em criar empatias e amizades e quem tem amigos está menos só. 
MM 

De Fernando Lopes a 01.03.2017 às 18:34

Tudo o que escreves é verdade, e no entanto há momentos em que nos sentimos sós perante o mundo, algo, ou alguém. Não achas?

De redonda a 02.03.2017 às 22:43

Gosto muitas vezes de estar só (acho que por isso consegui ver o pesadelo que seria no livro Recordações da Casa dos Mortos de Dostoievski nunca estar só) mas não gosto de me sentir só.

De Fernando Lopes a 02.03.2017 às 22:51

Às vezes sinto-me só, mas não o sentimos já todos.


P.S. - Nunca li nada de Dostoievski. Não digas a ninguém. 

De redonda a 02.03.2017 às 23:01

(Sobre o PS isso é super fixe porque ando há que tempos a pensar que livro especial é que te poderia oferecer que não tenhas lido e queria encontrar três, assim para a lista poderá ir já Os Irmãos Karamazov que foi durante anos o meu preferido dele (embora também desde há anos que não voltei a lê-lo...) e agora só me falta encontrar mais dois...)

De Fernando Lopes a 03.03.2017 às 00:05

Leio imensos autores contemporâneos, tenho lacunas do tamanho do Grand Canyon nos clássicos.

De alexandra g. a 03.03.2017 às 20:32

é caso para sugerir que envies os boxers XL para um banco solidário de apoio à preservação do Grand Canyon :P
________
p.s. - beijinhos e saudades, em bué gordo :)*

De Fernando Lopes a 03.03.2017 às 21:54

Vão ter de ser para oferecer, lá isso vão. 


______________________________
p.s. - Retribuo com afinco

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Esta não é totalmente surda, ouve muito mal mas re...

  • alexandra g.

    Uma bela albina, poderia ser gémea da gata da minh...

  • Fernando Lopes

    Tu és de pouco alimento, a despesa suporta-se bem....

  • Anónimo

    Com a poupança que tens tido nos almoços comigo e ...