Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A pergunta.

por Fernando Lopes, 11 Jan 16

o-marciano.jpg

 

Na juventude era consumidor ávido de ficção científica e fantasia em duas colecções de livros de bolso, «Argonauta» e da Europa-América. Há mais de uma vintena de anos que não pegava num livro do género, mas todo o ruído no Goodreads e na net em geral levaram-me a adquirir «O Marciano» que viria a dar origem ao filme «Perdido em Marte» protagonizado por Matt Damon.

 

À parte uma série de patuá científico que as mais das vezes me passou ao lado, é um livro escrito num estilo simples, quase coloquial, onde as peripécias da personagem se sucedem a um ritmo acelerado, mantendo o leitor preso. No fundo é a história de um Robinson Crusoe do futuro, arraçado de MacGyver, com enorme sentido de humor e capacidade de rir de si mesmo e da sua desgraça.

 

Uma das coisas que mais me diverte é ver se os filmes baseados numa determinada obra se mantêm fiéis ao original, e se a minha imaginação foi superada pelo milagre do cinema. Para dizer a verdade a maior parte das adaptações são muito piores que os livros. Lembro-me da honrosa excepção de «O Senhor dos Anéis» em que algumas vezes abri a boca de pasmo para dizer com os meus botões: isto está melhor do que tinha imaginado.

 

O livro, para exponenciar as vendas, vinha com uma sobrecapa referente ao filme. A minha filha ao vê-lo não resistiu à pergunta sacramental.

 

- Pai, esse livro não existe em filme?

- Sim.

- Então porque é que estás com esse trabalho todo?

- Quero imaginar antes de ver o filme.

 

Uma questão inocente de uma criança de 10 anos que estou certo seria replicada pela maioria dos adultos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

7 comentários

De Pseudo a 11.01.2016 às 21:54

São poucos os miúdos de hoje em dia que se dão ao trabalho de imaginar. Fazem parte da geração do "imediato", "aqui, agora e já". Lido com eles durante o dia, eles e elas à espera que a aprendizagem de conteúdos aterre dentro dos seus neurónios, sem grande esforço. Já em casa, é um bocadinho melhor. Contudo, entre filme e livro, a escolha é óbvia. Já gostou mais de ler, já. E eu continuo a insistir que leia e a comprar-lhe páginas e a dar-lhe exemplo quase diariamente.

De Fernando Lopes a 11.01.2016 às 22:35

Ela há lá algo mais divertido que imaginar! Ler dá trabalho, requer hábito, disciplina, gosto. Para mim é algo tão natural como comer, mas fui criado num tempo em que a televisão só dava desenhos animados ao fim-de-semana e sabe Deus todos os estímulos audiovisuais que hoje existem eram também eles ficção cientifica. Comecei com os livros dos «Cinco», «Sete» e banda desenhada, mas não julgo os miúdos, provavelmente se fosse da geração deles não seria muito diferente. 

De redonda a 12.01.2016 às 01:07

Também gosto de imaginar antes de ver o filme e na adolescência adorava ler FC, fiquei com pena de não ter apanhado os primeiros livros da Argonauta, adorei os livros de Robert A. Heinlein, Cliford D. Simack, Philip Josep Farmer, Artur C. Clarke, etc.

De Fernando Lopes a 12.01.2016 às 19:39

Nas feiras do livro ainda se encontram restos de colecção tanto da «Argonauta» como da «FC Europa-América», mas isso deves saber bem melhor que eu. Confesso que também gostava de fantasia, principalmente da Vonda N. Mcintyre e da Ursula K. Le Guin. Não sei bem porquê mas fiquei sempre com a sensação que as mulheres eram melhores na fantasia. 

De Anónimo a 12.01.2016 às 19:07

Li o livro (gostei bastante) e fui ver o filme para ver se Ridley Scott se sairia melhor do que eu. Não saíu
e atenção gosto muito dos filmes de Ridley Scott, mas desta vez fiquei desiludido e não foi por culpa do Matt Damon,

De Fernando Lopes a 12.01.2016 às 19:41

Já estive com o filme seleccionado para ver, mas confesso que tive medo da desilusão. Depois conto o que é que achei. Ah, e também gosto bastante do Ridley Scott.

De Fernando Lopes a 15.01.2016 às 21:00

Vi o filme e é uma boa merda. Enquanto dois terços do livro falam sobre a tenacidade, imaginação, resistência à adversidade e à solidão, o filme é sobre um salvamento. Adorei a parte em que ele faz 50 dias de condução para chegar à cratera, que no filme duram 10 segundos. 

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Esta não é totalmente surda, ouve muito mal mas re...

  • alexandra g.

    Uma bela albina, poderia ser gémea da gata da minh...

  • Fernando Lopes

    Tu és de pouco alimento, a despesa suporta-se bem....

  • Anónimo

    Com a poupança que tens tido nos almoços comigo e ...