Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

a garniza domesticada.jpg

 A garniza amável 


Após uns dias sem blogue, manifestou um dos leitores preocupação pela falta de actualização do mesmo. Sei que não é a qualidade da prosa, mas os afectos que nos ligam. Deslocou-se este vosso servo ao seu abrigo nas portas do Parque Nacional da Peneda-Gerês. Sem possibilidades de blogar, viu ao longe as festividades da Senhora do Vale, passeou por fragas e veredas, comeu como um abade e bebeu como vários.

 

as cabras do vizinho.JPGAs cabras do vizinho a dizerem: «Olá, Fernando. Por aqui?»


Sabem os habitués do meu enorme amor e respeito pelos animais, da relação de empatia que crio com facilidade com qualquer bicho. Como São Francisco de Assis com um físico de Buda, nem uma aranha mato, limitando-me a pegar nos rastejantes e expulsá-los porta fora.

 

a burra do meu filho.jpgA «burra do meu filho».

 

Estes dias foram particularmente profícuos no estabelecimento de novas relações: a garniza do vizinho resolveu fazer ninho no meu jardim e tomar banhos de sol na varanda. Ao contrário do comum nestes bichos, em vez de arisca era particularmente sociável, não mostrando receio ou aversão ao contacto humano. As cabras do outro já me conhecem, olham-me beatificamente enquanto roem espinhos. Dei com elas num penedo, num dos seus habituais exercícios de equilibrismo sem rede. Fiz também amizade com uma burra extremamente dócil, que quando perguntei o nome ao meu pequeniníssimo e empedernido morador da frente me disse ser simplesmente «a burra do meu filho». Por entre serras e penedos o baptismo de animais parece um luxo de citadino, e «a burra do meu filho» é um nome tão bom como qualquer outro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

9 comentários

De golimix a 08.04.2015 às 20:33

Parece que   isto dos animais somos parecidos.Até as aranhas que aparecem eu as levo com cuidado, numa folha, até à rua.
Gostei foi do ar das cabras e do nome da burra! No início estranhei, pois pensei que tivesses uma filha, só depois é que percebi! 😉

De Fernando Lopes a 08.04.2015 às 21:35

Também não mato aranhas. O único bicho que extermino com prazer é a melga, apenas porque não lhe vi utilidade na natureza que não seja ser comida de pássaro.

De Carlos Azevedo a 09.04.2015 às 03:34

Junto-me ao clube: também não mato aranhas (passo um martírio para as meter num copo e depois levo-as para a rua).

De Fernando Lopes a 09.04.2015 às 08:20

A escola budista em todo o seu esplendor. A minha avó dizia para não as matar porque eram sinal de dinheiro, e dada a escassez... :)

De golimix a 09.04.2015 às 09:47

Melas e moscas!!!

De Fernando Lopes a 09.04.2015 às 12:57

Fizeste-me recordar uma velha lenda budista:
«Certo dia, nas suas deambulações, deparou-se Buda com um cão com uma ferida infectada, atacada por vermes e moscas. Cuidadosamente afastou-as, limpou e lavou a ferida do cão, deixando-o prosseguir o seu caminho. Segui também Buda, mas, de repente, recordou que as larvas e moscas também eram seres vivos. Voltou atrás, infligindo-se uma mutilação que lhe tirou um pedaço de pele e carne em que cuidadosamente depositou larvas e moscas.»

De golimix a 09.04.2015 às 19:29

C'a nojo!!! Image

De Alice Alfazema a 09.04.2015 às 08:07

Bom dia!


A "burra do meu filho" é bem gira. :)

De Fernando Lopes a 09.04.2015 às 08:21

Um doce esta burra. Tão mansa que mais parecia um cão.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Um facto alegre, não deve cegar para os problemas ...

  • Anónimo

    Um desabafo triste num dia que, para mim também, d...

  • Fernando Lopes

    Obrigado, Henedina. Reúno uma qualidade essencial ...

  • Henedina

    E tenha...um bom dia!