Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Costa foi às exéquias do BE.

por Fernando Lopes, 15 Out 14

antoniocosta-livre8248aacf_400x225.jpg

Não me entusiasma, até porque da sua boca pouco mais ouvi que banalidades. As eleições do PS foram de personas e não de ideias, perdeu o «líder da triste figura». No entanto, ninguém pode acusar o bom do Costa de inabilidade política, daí que o seu primeiro acto público depois da imperial foi ter comparecido no congresso do «Livre».

 

Está a piscar o olho à esquerda da esquerda que não se limita a protestar, que quer «meter as mãos na massa» e intervir politicamente num governo. O BE está morto, assassinado pelo seu ex-líder, pela recusa em ser mais que um partido de protesto. Exactamente três pessoas acreditam no futuro do BE: Catarina Martins, João Semedo e aquele moço careca, matemático, que perdoem-me, parece uma cópia de Seguro. O homem emana carisma que até atrapalha.

 

A política é a arte do possível, para conseguir uma pequena vitória são necessárias inúmeras cedências. É assim também na vida, coisa que a malta bloquista teima em não compreender. Sem ter mestrado em futurologia, vejo o Livre a esmagar o Bloco nas próximas eleições.

 

Porque sabem essa coisa tão simples, nada é de borla, para dar um passo à frente, às vezes é necessário recuar dois. Esse espírito de compromisso, capacidade de cedência e negociação parecem ser a sua grande vantagem. Um certo eleitorado de esquerda está cansado do pensamento que em nome da ideologia, a nada cede. Estou entre eles, prefiro alguém mesmo em posições subalternas a puxar à esquerda, que seja a consciência crítica do PS. Costa entendeu isso, muitos eleitores como eu também, o Bloco só vai atingir que errou quando o piano de cauda chamado eleições lhe cair em cima da cabeça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Da liderança pelo exemplo.

por Fernando Lopes, 19 Jun 14

Chegamos a um ponto na nossa vida colectiva em que os valores profundos, intrínsecos à boa natureza humana, por escassez de capacidade transaccionável, são tão raros quanto pigmeus no Ruanda. A gente sabe que existiram, até se lhes dava bom uso, mas feneceram. É assim nas empresas, nas escolas, na veneranda Assembleia da República. Liderança pelo exemplo é coisa do passado, aliás, dos nossos mais altos representantes, aos quadros superiores da administração pública e outros, o truque, a artimanha, o proveito próprio, são lei. Existe o que defini como «relação adaptativa com a verdade», que trocado em miúdos significa que o que hoje é, amanhã pode ser uma coisa totalmente diferente. A falta de vergonha na cara passou a ser nota curricular de relevo, pois integridade, frontalidade, hombridade, têm os tansos.

 

São estes, zelosos a destruir os direitos dos outros e céleres a defender os seus, que se sentam por aí, no governo, assembleia, ministérios e empresas. Dão-nos lições de ética sem se preocuparem um segundo em «praticar o que pregam».  Nada lhes acontece, porque a imensa mole que trabalha e os sustenta, fornece-lhes os nutrientes que os mantêm viçosos: incapacidade de revolta e indiferença. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Guardado está o bocado…

por Fernando Lopes, 28 Fev 14

para quem o há-de comer. A nomeação de Vítor Gaspar para um alto cargo do FMI não surpreende, é um prémio por «serviços prestados». Faz parte de uma longa tradição política neste país, quem salta do governo assentar poiso em cargos prestigiados e sobretudo bem remunerados. Como dizia a minha avó, mulher simples mais sábia, «quem mexe no mel é que lambuza os dedos».

 

Vítor Gaspar, que na carta de demissão, assumiu um rotundo falhanço das suas políticas, vai para um cargo «acima das suas capacidades».

Autoria e outros dados (tags, etc)

Seguro no seu labirinto.

por Fernando Lopes, 17 Fev 14

Já entendi que Portugal vai ter uma “saída limpa”. Limpa é como quem diz, “o Tribunal Constitucional Alemão considerou que a compra ilimitada de obrigações pelo BCE excede o mandato concedido pelos tratados europeus”. Na prática, a saída sem rede não é uma opção do governo de Portugal, mas uma – mais uma – imposição do plenipotenciário Tribunal Alemão. Passos financia-se hoje para uma política eleitoralista em 2015. Seguro, preso na sua própria armadilha quando desejou a “saída limpa” pouco poderá fazer além de emitir as habituais inconsequências. Vamos ser deixados à nossa sorte, sem que ninguém possa tentar adivinhar o que irão fazer os “mercados”. À mínima cólica dos famosos “mercados” estaremos outra vez – diria permaneceremos – sujeitos a juros que roçam a usura. E ninguém, à excepção do PCP, fala com seriedade na hipótese de sairmos do euro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Sinais de sucesso do “programa”.

por Fernando Lopes, 12 Dez 13

Morro de cólicas cada vez que ouço Maria Luís Albuquerque referir-se ao “programa”. Raramente se lhe ouviu associar ao substantivo “programa” a palavra “ajustamento”. No reino dos eufemismos a menção da palavra “programa” dá um ar de inocuidade e inevitabilidade às medidas impostas pela troika, como se estas fossem o único caminho possível.

 

Ora, o “programa” é um sucesso, posso garantir-vos. Hoje, numa curta visita pelas lojas, notei que tudo, rigorosamente tudo, está em promoção. O “enorme aumento de impostos” teve como consequência que os portugueses que ainda têm trabalho ficassem privados de 1/14 avos do seu rendimento anual. Não há dinheiro e as empresas fazem promoções a tudo o que mexe. Na Bertrand, 25% de desconto em milhares de livros. A LeYA está com uma campanha de pague 1 leve 2, Zara, Cortefiel e a maioria das lojas de vestuário publicitam promoções de 30 a 50%, e até as empresas de brinquedos, que facturam na época natalícia 70% do total do ano, estão com reduções acentuadas dos preços.

 

Se o objectivo era deixar os portugueses sem cheta e os comerciantes à beira de um ataque de nervos, não há dúvida que o “programa” está a ser um êxito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O governo PSD-CDS não tem uma única ideia para a reforma do estado. Na campanha eleitoral tudo se resumia a “cortar nas gorduras do Estado”. Entendemos agora que as gorduras são os trabalhadores em geral e a função pública e reformados em particular. Todos sofremos o “enorme aumento de impostos”, e estamos, consequentemente, mais magros. Os reformados e pensionistas, com menos capacidade de mobilização e reivindicação, são alvos preferenciais. A TSU das viúvas é uma medida claramente inconstitucional e Passos e sus muchachos, sabem-no. À míngua de ideias, avançam com esta, discriminatória, para colocar o ónus do falhanço da reforma no Tribunal Constitucional. Duas questões: se a reforma do estado se resume a cortar prestações sociais e aumentar impostos, para que precisamos de um governo? Qualquer Director-Geral é capaz de o fazer. Passos, porque insistes em fazer dos portugueses estúpidos?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

As eleições são divertidas.

por Fernando Lopes, 29 Set 13

As eleições são sempre muito divertidas, não tanto pelo acto em si, mas por todo o folclore que as rodeia. Apesar de sempre ter votado em Cedofeita, com a junção de freguesias parece que voto pelo Porto todo. É Cedofeita, Miragaia, Santo Ildefonso, São Nicolau, Sé e Vitória (ufff, que saudades do tempo em que era simples dizer o nome da nossa freguesia). A explicação para esta agregação é o contínuo histórico do centro da cidade, esquecendo-se as alminhas pensantes que de uma ponta à outra devem distar dez ou mais quilómetros. Eita, freguesia grandona.

 

O local onde voto é o meu antigo liceu, a cerca de mil metros, talvez um pouco mais, de casa. Resolvi ir a pé, guarda-chuva na mão e parka sobre o polo. A metade do percurso já transpirava como um cavalo. Tirei o casaco e fui por ali fora, bem no meio da chuva. Como todas as freguesias do centro da cidade, a população de Cedofeita é maioritariamente sénior, pelo que requer alguma paciência, tolerância e bonomia, votar.

 

Sexagenárias filhas arrastam gerontes munidos de bengalas, andarilhos e o diabo a quatro. Só me interrogo que estranha fé os move para aquele desconforto. Os reformados em fato domingueiro, as matronas gordas a rolarem para fora dos Mercedes, os penteados à lá Ferreira Leite, todos os tiques pequeno-burgueses da cidade estão ali em exposição viva. Parei um minuto à porta do velho Rodrigues de Freitas para apreciar o caos automóvel. É esta a tua gente, são estas as “forças-vivas” da tua cidade. É por isso que esta merda porra nunca corre bem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Eu cá não preciso de dia de reflexão.

por Fernando Lopes, 28 Set 13

Até porque os candidatos elegíveis na cidade do Porto vão do muito fraquinho ao abaixo de cão. Uma cidade onde os eleitores dão a possibilidade a Rui Moreira de ser eleito, merece, no mínimo, quatro bombas iguais às de Hiroshima logo após os resultados eleitorais. Põe-se um clone de RR no poder. Afinal a única coisa que este fez de errado foi não deixar o F.C. Porto subir à varanda da câmara quando se sagra campeão. Vão-se  foder, concidadãos!  Mas irei votar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Vem aí a troika!

por Fernando Lopes, 16 Set 13

Quando era pequeno para me forçar a fazer algo que não queria, ameaçavam-me com o bicho-papão ou o homem do saco. Hoje para atemorizar um povo e o subjugar a toda e qualquer cretinice abrem os telejornais a gritar: “Amanhã começa a avaliação da troika!”. Os homens e as instituições que deveriam ser parceiros transformaram-se no bicho papão de todo um povo. Com a desvantagem de estes seres ameaçadores existirem mesmo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Crise política.

por Fernando Lopes, 14 Jul 13

Regressado a casa e de novo com acesso aos canais de cabo, estive a ver de seguida “Governo Sombra” e o “Eixo do Mal”. Entendo bem que isto seja um maná para quem vive do comentário, mas e os portugueses? As traquinices de Pedro, Paulo & Aníbal, causam-me tanto entusiasmo como um filme pornográfico protagonizado por octogenários.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Henedina

    Expert :)

  • Henedina

    Minto, também na Índia. Como acompanhava o bandola...

  • Henedina

    Só passei uma noite no Dubai. Gosto mais de nature...

  • Fernando Lopes

    Obrigado, Genny.Enorme, enorme, abraço.