Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A greve, um mecanismo de luta do Séc. XIX.

por Fernando Lopes, 27 Jun 13

Hoje, não fiz greve. Por medo, mas também por achar que é um modo de luta que deixou de fazer sentido. A greve é tolerada pelo poder, enquadrada num protesto organizado, sob a batuta dos sindicatos e seus controleiros. Não há rebelião, joga-se segundo as regras do inimigo, perde-se um dia de salário, ganha-se pouco mais que D. Quixote lutando contra moinhos de vento. Na Turquia e Brasil o povo está a lutar onde a luta deve ser travada, na rua, desafiando regras e convenções. Vivemos uma guerra social em que os algozes do poder não usam armas tradicionais, desafiam a Constituição e os mecanismos legais. Porque havemos de fazê-lo ordeiramente, como esperam?

 

Uma manifestação convocada pelo facebook fez cair a TSU. Acham que alguma greve conseguiria isso? Vivemos tempos em que o combate ao poder não pode ser feito pelos meios habituais. Querem-me na rua? Lá estarei, como sempre. Querem gritar? Gritarei a vosso lado. Mas não me peçam para ser comportado, previsível, ordeiro e acreditar na democracia parlamentar quando foi essa crença e respeito que nos conduziram a este beco sem saída.

 

Estou a imaginar os Danieis Oliveiras a alertarem para o perigo do anti-partidarismo. São uma versão moderna das nêsperas de Mário Henrique Leiria, continuarão a acreditar até serem tragados na voragem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

6 comentários

De Ana A. a 28.06.2013 às 12:24

Olá Fernando,

Eu tenho estado em "modo nêspera" nos últimos tempos, por razões pessoais/familiares que me abalaram.

Se não fosse o medo individual, a força do colectivo pararia o país, e aí sim era a verdadeira "guerra" que não se limitaria a partir montras ou a incendiar carros...

Desejo-lhe umas férias regeneradoras, com muita paz e amor, ma medida do possível.

Abraço

De Fernando Lopes a 28.06.2013 às 13:10

Concordará que a greve se tornou algo de anacrónico. Novas situações exigem dos cidadãos novas formas de resposta. Violência é as crianças irem para a escola com fome, os velhos não terem dinheiro para medicamentos, pessoas a viver na rua, gente a remexer no lixo dos supermercados. E contra essa forma de violência, a greve não vale a ponta de um corno. Esses não podem fazer greve e esta será para eles, inconsequente. Era só isso que queria dizer. E gosto de a ver sair do modo nêspera.

Grande abraço.

De Horizonte XXI a 28.06.2013 às 21:50

Bravo!

Diria até; se é para actuar através de greve então é uma greve de uma semana, quinze dias, parar completamente esta merda toda.

Abraço livre

De Fernando Lopes a 28.06.2013 às 23:39

Companheiro:

Infelizmente vivemos uma guerra. Mas não é uma guerra qualquer, é a pauperização da Europa a favor de uma pretensa competitividade com a China e o Bangladesh que nunca teremos, nem devemos almejar. O adversário joga sujo, não faz sentido seguirmos as regras. Desestabilizar esta merda toda, meter-lhes medo, até de saírem de casa.

Abraço.

De Carlos Azevedo a 29.06.2013 às 01:52

«Querem-me na rua? Lá estarei, como sempre. Querem gritar? Gritarei a vosso lado.»

Idem e abraço.

De Fernando Lopes a 29.06.2013 às 12:06

A malta vê-se por lá.

Abraço.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Esta não é totalmente surda, ouve muito mal mas re...

  • alexandra g.

    Uma bela albina, poderia ser gémea da gata da minh...

  • Fernando Lopes

    Tu és de pouco alimento, a despesa suporta-se bem....

  • Anónimo

    Com a poupança que tens tido nos almoços comigo e ...