Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O exorcista (Lóbi gai - II e última parte)

por Fernando Lopes, 6 Mar 13

Um sábado à noite, Maria seguiu António até ao café. Após horas na sueca, com o café já fechado, dirigiram-se para um anexo nas traseiras. Passados uns minutos, começou a ouvir-se música baixinho. Tony de Matos, Nelson Ned e outras vozes, sempre românticas. Entreabriu a porta e viu António agarrado às ancas do Cunha Jardineiro. O Jeremias, conhecido por ser grande putanheiro e por apalpar o cu às gajas nas romarias, estava com um vestido de lantejoulas e sapatos de tacão alto. Conseguiu ainda ver o Manel do talho, com umas cuecas que só lhe tapavam os pendentes e que no cu eram apenas um fio, como as das gajas brasileiras, mas para homem. Persignou-se e fugiu dali. Quando António chegou, fingiu-se adormecida.

 

No dia seguinte resolveu falar com o Padre Álvaro:


- Sr. Padre, muitos dos nossos homens juntam-se à noite, nas traseiras do café, para a paneleiragem.

- Tens a certeza minha filha?

- Absoluta. O meu Tó, o Cunha e o Manel vi-os eu bem, a roçarem-se uns nos outros, com roupas de mulher e cuecas de mostrar o cu.

- Deves estra enganada.

- Com estes dois que a terra há-de comer. O melhor é o Sr. Padre fazer um exorcismo para os purificar e afastar a bichanice.

- Exorcismo? Ó mulher e ficava eu sem o meu companheiro de … sueca?

Autoria e outros dados (tags, etc)

4 comentários

De Uma Rapariga Simples a 06.03.2013 às 10:56

A noite esconde segredos insuspeitos.

De Fernando Lopes a 06.03.2013 às 11:21

Há por aí muito macho bigodudo a … jogar à sueca com os amigos.;)

De O Abominável Careca a 06.03.2013 às 22:04

Boas noites,

Depois de ler o segundo capítulo da saga "Lóbi Gai" e cheio de pena por não haver um terceiro ou mesmo quarto, isto porque a estória prometia...
Não desistas de escrever porque esto curiossísimo por saber como acabará todo este folhetim numa qualquer aldeia perto de nós...
Um abraço e boas escritas!

De Fernando Lopes a 06.03.2013 às 22:16

Confesso que só fiz esta palhaçada um bocado por desafio da Alice Alfazema, e nunca pensei que alguém achasse piada. A vida naquela aldeia, como em qualquer outra é cheia de luzes, sombras e inesperado. Prometo surpresas passadas em "Rabais de Baixo" para um dia destes. :)

Abraço.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback