Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A morte nas costas

por Fernando Lopes, 27 Mar 12

Nas minhas costas tenho sempre um lembrete da efemeridade. Rodando 180º, no meu local de trabalho, tenho vista para o cemitério de Agramonte. Belos jazigos em forma de capela, que mostram as glórias do reino dos mortos, aos vivos. Para que conste, ao contrário do que dizem, nem na morte somos todos iguais. Uns morrem e ficam à superfície, exibem arte, orgulho nas origens e terrenas fortunas. Outros, pobres, são escondidos debaixo da terra, em campa rasa. Não me lembro de ter confessado isto, excepto a meia dúzia de amigos mais chegados, mas aqui vai. Tenho um medo que me pelo de caixões ou ser enterrado. A experiência mais próxima que tive de estar num caixão, uma ressonância magnética. Enfiado naquele tubo, entrei em pânico. Só fiz o exame com recurso a anestesia. Uma coisa uma bocado mariquinhas, bem sei. Deixo aqui as minhas últimas vontades no que ao féretro concerne. Um caixão XXXL e um repouso não debaixo mas à tona da terra. O primeiro deverá ser facilmente exequível, para alegria de carpinteiros e cangalheiros. Do segundo 50.000 € me separam. Acho que vou aguardar. Sem pressas, que demora muito tempo a juntar tanta massa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

5 comentários

De MManel a 27.03.2012 às 12:25

Epá!
Subscrevo-me totalmente!
Essa estória do caixão enterrado sempre me assustou sobremaneira, sobretudo perante a visão secreta de acordar lá dentro e tentar sair :-(
"Cromada" - como já constatava o António Feio ao José Pedro Gomes - quero ser cromada. (Este pensamento já me traz alguma tranquilidade, embora mórbida.)

Mas mudando de assunto, apetece partilhar isto:
detesto ver Smarts de 2 lugares na auto-estrada!!!
* Primeiro, são uma versão idiota e totó dos normais mata-velhos, - aqueles espetaculares para os quais não é preciso carta ... - mas muito mais "fine", com os seus fabulosos condutores a tentar mostrar que andam mais do que os automóveis comuns, não largando a faixa da esquerda nem por nada, lembrando qualquer mosquito irritante em noite de calor ...

Depois, porque demonstram bem a besteira nacional - como já alguém referiu,(sinceramente não sei o nome)
fora de Portugal, quando se quer poupar e não matar as pernas, opta-se por uma lambretta ou vespa, aqui compra-se um mercedes raquítico e paga-se um absurdo...

Acho que um destes dias vejo um a desmontar-se, tipo Mach 0,1 ...


Bjts

De Fernando Lopes a 27.03.2012 às 13:05

Pelas tuas palavras deduzo que será impossível enterrar-te num SMART for Two?


beijo

De MManel a 27.03.2012 às 14:01

;-)

De momentosdisparatados a 17.04.2012 às 15:13

Estou a ver que não sou só eu a ter esses medo.
Não gosto do desconhecido, sei lá como vai ser depois de morrer.
Quando dizem que depois de morrer não sentimos nada, costumo dizer " como´é que sabem? Nunca ninguém veio cá dizer como que é."
Mas também sou da opinião, se tenho de morrer que fique ao de cima da terra e não no fundo.
Boa semana

De Fernando Lopes a 17.04.2012 às 15:33

É uma fobia relativamente comum, relacionada com os espaços fechados. Não é tafofobia nem claustrofobia, é assim um misto. Não se preocupe, somos muitos.

Abraço e boa semana,
Fernando

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Henedina

    E tenha...um bom dia!

  • Henedina

    Então parabéns...por ter lavado as cuecas, claro ;...

  • bokeh

    pois conheço....devo-me ter distraído com a jane b...

  • Fernando Lopes

    Lavei-as com grande dignidade, de saia curta e a c...