Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miquinhas

por Fernando Lopes, 1 Mar 12

 

Quinta da Aurifícia (Google Maps)
(o enorme espaço verde resiste, ainda hoje)

 

Companhia Aurifícia
(das grades, à direita, observava os operários da Companhia Aurifícia)

 

 

O Porto da minha infância tinha uma ruralidade que tende a desaparecer. Fui criado na rua de Álvares Cabral, na freguesia de Cedofeita. Naquela artéria uma grande parte das casas tinham um terreno nas traseiras. Os mais ricos, tinham jardim. Os outros, um quintal de 20 ou 30m2. A casa dos meus avós fazia fronteira com a Quinta da Aurifícia, que atravessava um quarteirão inteiro, do lado da Rua dos Bragas uma fábrica a que chamávamos "a fábrica dos pregos", do lado de Álvares Cabral um enorme portão de ferro com a inscrição Quinta da Aurifícia. Cresci pois, no melhor de dois mundos, com a urbanidade e o comércio de Cedofeita e ao mesmo tempo entre galinhas, couves, salsa e hortelã. Por uma porta, saía de casa e ia brincar para "a quinta". Um espaço imenso que estava alugado. Os arrendatários transformaram aqueles 2 ou três hectares numa fonte de rendimento cultivando em pequenas parcelas tudo o imaginável. Eram uma espécie de agricultores biológicos "old age". Havia flores, castanheiros, tomates e pencas, dióspiros e vinha. O Sr. Fernando trabalhava no Instituto Pasteur e era agricultor em todas as horas vagas. A sua mulher, a Miquinhas, dedicava-se em exclusivo à agricultura. Não estou a falar de tempos remotos, a "exploração agrícola" manteve-se activa até finais dos anos 90, quando a ruralidade tendia a desaparecer engolida pela valorização do espaço, em prédios de 5 andares.


A Miquinhas vivia uma vida dupla, entre o campo e a cidade. Personagem peculiar, tanto a encontrávamos de sachola e com uns estranhos socos de plástico, avental e um chapéu esquisito, como vestida urbanamente, nas compras, entre as vizinhas. Era como se por artes mágicas, o enorme portão lhe mudasse o ofício e a personalidade. Ora lavradeira, ora uma vulgar mulher da classe média de então. Essa fronteira, facilmente ultrapassável entre o mundo rural e urbano que existiu na minha infância quase desapareceu. As Miquinhas que habitam esta cidade são uma espécie em vias de extinção, um precioso bem cada vez mais escasso. Dir-me-ão que é saudosismo. Talvez. Mas quando esquecemos a terra, também esquecemos as nossas origens. A todas as Miquinhas que ainda resistem, entre couves e galinhas, a minha homenagem.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2 comentários

De Leila Fernandes a 19.04.2013 às 11:28

Bom dia,

Fiquei bastante curiosa acerca deste espaço. Gostaria de saber o nome dos proprietários de que fala, se estão vivos e/ou se têm descendentes, e se sabe em que mãos está o espaço.

Muito obrigada!
Leila.

De Fernando Lopes a 19.04.2013 às 11:57

O espaço era arrendado. Pertencia ao dono da confeitaria que faz esquina com a Praça da República e a Rua da Boavista. O senhor faleceu, a esposa ainda era viva. Acho que qualquer informação pode ser obtida na confeitaria, embora provavelmente já não pertença à família.

Comentar post

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Henedina

    E tenha...um bom dia!

  • Henedina

    Então parabéns...por ter lavado as cuecas, claro ;...

  • bokeh

    pois conheço....devo-me ter distraído com a jane b...

  • Fernando Lopes

    Lavei-as com grande dignidade, de saia curta e a c...