Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tenho um sobrinho novinho em folha.

por Fernando Lopes, 30 Dez 17

Quase nos 55 continuo a ficar surpreso e entusiasmado com o milagre da vida. Tenho um sobrinho «novinho em folha», estreou-se entre nós na passada 4ª feira. Quem me conhece sabe que sempre adorei bebés e crianças, de alguma forma lamento não ter tido mais filhos. Pego no pequenito ao colo e a sua fragilidade e em simultâneo o mundo que se lhe abre, deixam-me nas nuvens. Um bebé é como uma história por contar, por caminhos que são só seus escreverá um futuro que só a ele pertence. Não sei se a maioria dos homens são assim, mas sou aquele chato que brinca com os miúdos no restaurante, que faz caretas e palhaçadas, que os ensina a dar traques com as mãos. Penso que tenho jeito, acima de tudo adoro aquelas pessoas pequenas. Anseio pegar nele, brincar, fazer tonterias. Nada melhor que ter um futuro à espera de ser escrito ao colo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Pois...

por Fernando Lopes, 24 Dez 17

O amor é divino.

Marcel Proust
 

É a única forma de eternidade, o lado solar da natureza humana, aquilo que nos faz superar-nos todos os dias.

 

Um Natal cheio de amor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Um país dividido.

por Fernando Lopes, 17 Dez 17

camelo_lourenco.jpg Ainda e sempre o brihante texto de Luís M. Jorge


Nos idos de 75, era eu um infante de calças curtas, assisti a brigas imensas pour et à cause de opções políticas que então separavam pais e filhos, tios e parentes. Existiam dois caminhos claros, antagónicos, que separavam as águas. Hoje noto como nunca essa fractura ideológica, com os órfãos de PPC, das políticas austeritárias e de castigo, e os outros. Temos a madame Avillez, os Ramos e Hienas do Matos a vociferar contra tudo e qualquer coisa que o governo faça. É um direito que lhes assiste, respeito-o. Atribuem todos os méritos da actual situação às reformas estruturais – que foram vender tudo aos chineses ao preço da uva mijona, desvalorizar o trabalho, aumentar impostos, castigar os portugueses por comprarem um apartamento nos subúrbios e irem de férias a Benidorm. Esta ideia ancestral de que o povo só lá vai a chicote continua o orientar uma certa intelligentsia da nossa direita, sem que lhe entenda o porquê. O governo actual não passa de social-democrata com um perfume ocasional de medidas de esquerda. O PS como partido de poder continua a ter uma clientela faminta que tem de alimentar. PC e Bloco persistem em viver no seu pequeno mundo como se tudo não estivesse ligado e dependente dos «poderes imperialistas» da UE. Não é, nem de longe nem de perto, o que sonhei. É o possível, e quem olhar para o país sem preconceitos verá que, apesar de tudo, em contraste com montenegrina filosofia, «o país está melhor e as pessoas estão melhor». 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Põe-te no teu lugar.

por Fernando Lopes, 15 Dez 17

 Dizes a verdade mesmo quando ela é inconveniente.

 

Não gostas de jogos de palavras, preferes chamar os bois pelos nomes.

 

Achas que lealdade é mais importante que obediência.

 

Não pensas que dinheiro ou status definam o que é essencial numa pessoa; a sua humanidade.

 

Continuas a desejar utopias.

 

Não te adaptas a situações «sociais».

 

Evitas mentir e até as mentiras piedosas te são custosas.

 

Estás permanentemente insatisfeito contigo e com os outros.

 

Tens grandes exaltações e enormes angústias.

 

Dizes palavrões, ris alto, piscas o olho com malandrice.

 

Adoras beber, rir, cantar.



 

Atenção: és um tipo excessivo, tens o coração perto da boca, melhor pores-te no teu lugar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Marvin Gaye.

por Fernando Lopes, 10 Dez 17

No restaurante onde almoço durante a semana – o das couves, Filipe – os empregados rodam com alguma frequência. Recordo com saudade o Luciano, um rapaz brasileiro, alto e magrinho, que era uma autêntica máquina. Fixava tudo, servia sempre com um sorriso, uma piada e uma rapidez alucinante. Acabava o turno completamente transpirado, tal o esforço de físico e de concentração que aquelas duas horas de gás a fundo implicavam. Havia também o Márcio, refilão encartado, mas sempre pronto para agradar e satisfazer os pedidos mais improváveis. Agora servem dois jovens brasileiros, a Lorrana, simplificado para Lô e o Higor, que quando me confessou que o seu nome se escrevia com H levou logo com a alcunha de Igor com H. A Lorrana está grávida, quando lhe perguntei o nome do bebé, disse-me que tinha escolhido Marvin.

 

- Fixe, como o Marvin Gaye, disse. Ela olho para mim, franziu o sobrolho e afastou-se. Passado uns minutos aproxima-se de mim e pergunta:

 

- Seu Fernando, já me tinham falado nisso do gay. Que é que é isso?

 

- Lô, não tem nada a ver com gay, é Gaye, com é, era um cantor americano muito conhecido, há uma música dele «Sexual Healing» que deve ter ouvido, foi muito popular nos anos 80.

 

 

Dúvida desfeita, mãe tranquilizada sobre o bullying ao seu futuro rebento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • alexandra g.

    Sem,de todo - que fique claro, ao contrário daquel...

  • Fernando Lopes

    CC, tem alguma razão, mas apenas lhe posso falar d...

  • Fernando Lopes

    O toque pode ser uma forma de exprimir afecto, pod...

  • Fernando Lopes

    Há uma fronteira, muito vezes ténue, entre corteja...

subscrever feeds