Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Carochinha do Séc. XXI.

por Fernando Lopes, 8 Ago 16

Li num blogue feminino brasileiro a conversa da carochinha contemporânea. Constatava a jovem moça que tinha sido criada em igualdade com os homens, que prezava a sua autonomia, que saía quando lhe apetecia, com quem queria, tinha uma vida profissional de sucesso, carreira académica sem mácula, que via os homens como iguais. Tudo isto seria normal se não terminasse com algo do género «ninguém quer casar comigo porque sou independente e liberada». Não estando habilitado a falar por homens mais novos, constato a contradição de discurso entre a mulher livre e independente, que em simultâneo não abdica do jogo tradicional de papéis. O mundo mudou, a sociedade mudou, também os homens são mais independentes. Qualquer jovem macho é autónomo na sua vida profissional, sexual, doméstica. Muitos vivem vidas que se caracterizam pela prevalência do individual sobre o familiar. Não precisam, não sentem necessidade de uma família tradicional, de filhos. O mundo transformou-se numa procura de satisfação imediata, o investimento numa relação e posteriormente numa família é uma aposta de longo prazo que não motiva a maioria. Uma família significa abdicar do «eu» para pensar no «nós», e esse conceito de colectivo é cada vez mais frágil. Um tempo de individualismo gera pessoas individualistas. É pueril constatar que a sociedade mudou, os papéis de género também, e, no entanto, aspirar a um modelo de família tradicional.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Genny

    Fico sempre com uma sensação de impotência.

  • Fernando Lopes

    Um facto alegre, não deve cegar para os problemas ...

  • Anónimo

    Um desabafo triste num dia que, para mim também, d...

  • Fernando Lopes

    Obrigado, Henedina. Reúno uma qualidade essencial ...

subscrever feeds