Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O meu 25 de Novembro.

por Fernando Lopes, 25 Nov 15

Como já aqui contei, o pai foi durante os longos anos do fascismo, simpatizante do PCP. Chegou a distribuir o «Avante» e esteve detido quando em 1973 regressava de Londres com um livro sobre a pintura russa no Séc. XX. Não o agrediram, apenas interrogaram horas a fio sobre o seu interesse «nos russos». Como não se descaiu, sem prova que se visse, libertaram-no com um aviso para moderar o interesse na arte do país da revolução bolchevique.

 

Aquando do 25 de Novembro já era dissente do rumo que as coisas tinham tomado, e céptico face a uma revolução que não era apoiada pelas «massas populares», como então se dizia. Mantinha no entanto relações estreitas de amizade com militantes e simpatizantes «do partido».

 

Telefonou-lhe o Paulinho, velho comunista que queria parar a «contra-revolução» e propunha-se, armado de serra mecânica, ir cortar as árvores do separador central da Circunvalação, alegadamente para impedir a saída dos militares do R.I.P.

 

Apenas com 12 anos, o pai meteu-me no Mini e fomos a casa do Paulinho tentar demovê-lo daquela ideia louca. Juntou-se-nos um outro amigo, e à custa de muita contra argumentação e alguma força de braço conseguimos impedi-lo de prosseguir com aquela ideia peregrina.

 

Diga-se o que se disser, pense-se o que se pensar, constato o óbvio: os tempos do PREC eram infinitamente mais animados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    As pessoas devem poder vestir-se como lhes apetece...

  • Henedina

    Nos EUA é McCartismo

  • Henedina

    Algum bom senso na indumentária?..'Humm

  • alexandra g.

    Sem,de todo - que fique claro, ao contrário daquel...

subscrever feeds