Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

artesao.jpgArtesão senegalês 

 

Decidimos evitar as excursões organizadas onde toda a gente vai ver tudo ao mesmo tempo e visitar Sal Rei e o resto da ilha por nossa conta e risco. Para isso contratamos os serviços do Zé Silva, um jovem taxista casado com uma das empregadas do hotel. Por vinte euros vamos cinco pessoas até à capital da ilha, com a gestão do tempo e do que nos interessa ver.

 

Os censos de 2004 indicam uma população de 2.122 habitantes. Com a chegada do turismo vieram também os emigrantes senegaleses, que os cabo-verdianos consideram vendedores chatos e que produzem artesanato que não é genuíno. Quanto ao ponto dois estão cheios de razão, mas as suspeitas quanto à seriedade dos mesmos ficaram grandemente aplacadas pelo episódio pitoresco que conto de seguida.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • alexandra g.

    Sem,de todo - que fique claro, ao contrário daquel...

  • Fernando Lopes

    CC, tem alguma razão, mas apenas lhe posso falar d...

  • Fernando Lopes

    O toque pode ser uma forma de exprimir afecto, pod...

  • Fernando Lopes

    Há uma fronteira, muito vezes ténue, entre corteja...

subscrever feeds