Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Avô.

por Fernando Lopes, 17 Jun 15

diciionario.jpg

 

A breve troca de estórias familiares com a Gaffe e a  admiração que expressei pelo percurso sofrido e feito a pulso do avô trouxe-me à memória factos que julgava adormecidos. Recordo uma visita à secção em que trabalhava e onde, no dealbar dos anos 70, todos os relatórios eram escritos à mão. Vejo-o de colete e manguitos, como um copista, a redigir lentamente e com precisão. Relembro as suas amadas canetas de tinta permanente, instrumento de ganha-pão, que inadvertidamente foram com ele para a cova e hoje repousam juntamente com os seus restos mortais no ossário.

 

Uma infância de rigores marcou-o para sempre. Era um homem discreto que usava o dinheiro com parcimónia. Excepto um ou outro carrinho, os seus presentes eram sempre baseados na utilidade. Foi assim que aos 9 anos me ofereceu um dicionário de Inglês-Português. Como qualquer criança de tão tenra idade manifestei desilusão, procurou aliviá-la com a dedicatória acima. Era assim o avô.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • alexandra g.

    Sem,de todo - que fique claro, ao contrário daquel...

  • Fernando Lopes

    CC, tem alguma razão, mas apenas lhe posso falar d...

  • Fernando Lopes

    O toque pode ser uma forma de exprimir afecto, pod...

  • Fernando Lopes

    Há uma fronteira, muito vezes ténue, entre corteja...

subscrever feeds