Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Beleza.

por Fernando Lopes, 8 Ago 14

Numa sociedade de multiplicidade os padrões de beleza são cada vez mais restritos e homogéneos, ignorando a variedade de formas e cores do ser humano. Um desastre. Não consigo definir normas para uma mulher bela. Já as admirei roliças e rubensianas, magras como um caniço, peitudas ou com maminhas ainda mais pequenas que as que sou portador. Sexyness é algo inexplicável que me transporta muito para além do corpo, algo mental na forma de lidar com a corporalidade, um carisma muito para além do que se vê. Ser sexy vem essencialmente de dentro, é um sorriso, um cheiro, uma atitude.

 

Um mercado infindável de cremes, ginásios, cirurgias plásticas, cresceu à volta das mulheres, tornando-as tão padronizadas que o conceito de mulher bela é quase único no mundo ocidental.

 

Hoje em dia estes princípios aplicam-se também aos homens. As revistas enchem-se de belos rapazes, barba de dois dias e torso musculado, sem penugem que se veja, versão masculina da Barbie. O mundo está cheio de belos moços que não correspondem aos padrões de hoje. A Gaffe acha que isto é um momento agridoce de vingança do sexo feminino por tudo o que as obrigaram a passar durante décadas. É justo o seu desabafo. Todavia o novo homem, viril e musculado é, tal como foram as mulheres de sonho, um produto de marketing.

 

Esgotado o mercado feminino de beleza, porque é necessário continuar a vender, o negócio expande-se para os homens. Aceito com bonomia o entusiasmo com o novo padrão masculino; tal como o feminino, nunca me interessou. Nos tempos que correm é muito mais fácil encontrar uma pessoa boa que uma boa pessoa. Literalmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Temas:

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds