Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Deixem os filhos únicos em paz!

por Fernando Lopes, 20 Fev 14

Anda por aí uma polémica terrível a propósito da imensidão de filhos únicos que são gerados neste país. Uma reportagem do Público perora sobre a protecção excessiva, egocentrismo, incapacidade para lidar com as frustrações e uma série de consequências de fazer corar de inocuidade as sete pragas do Egipto.

 

Na minha humilde opinião antigamente existiam imensas famílias numerosas por outras razões; primeiramente estará a falta de métodos contraceptivos eficazes – o famoso coitus interruptus é altamente falível; as crianças, em particular nos meios rurais e operários, eram uma força laboral a não desprezar e assim foi até aos idos de 80; por último, eram o mais aproximado a um PPR que os pais podiam aspirar: quanto estiver velho, algum dos dez tomará conta de mim.

 

Hoje, quem tiver as crianças a contribuir para o orçamento familiar corre sérios riscos de ir preso, com a pílula e a do dia seguinte só engravida quem quer e as instituições financeiras, seguradoras, e o estado itself, beatificamente, criaram uma série de formas de poupança e seguros que permitem que a maioria dos nossos velhos não morra de inanição.

 

Não, não foram as famílias que se transformaram, a sociedade é que o fez, e ao criar redes de protecção social, indirectamente, transformou o tecido social, a família e a parentalidade.

 

Irrita-me que hoje se considere que ser-se filho único é carregar consigo uma carga de tragédias, fazer parte uma geração de egocêntricos; algumas das pessoas mais auto-centradas que conheço têm um monte de irmãos.

 

Mesmo não sendo uma alma versada em análise sociológica, creio que há muito mais para lá do que vê o olho da reportagem do Público, tão aplaudida pelas alminhas que pensam sempre “no meu tempo é que era bom”, até no que ao fazer filhos diz respeito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Parabéns, Manuel Jorge Marmelo.

por Fernando Lopes, 20 Fev 14

Há dois ou três escritores que me encantam tanto pela sua obra como pelo ser humano que são. Manuel Jorge Marmelo é uma dessas pessoas, de quem um amigo comum, jornalista na Antena 1, teceu enormes elogios como escritor e homem. Não basta ser bonito por dentro, é também imperativo ser bonito por fora, uma boa pessoa. Trocámos palavras de circunstância numa manifestação em defesa da Escola da Fontinha. MJM certamente não se recordará, mas estava lá, confrontando o poder instituído, lamentando a falta de unidade da esquerda. Parabéns Manuel Jorge, este prémio é a prova que a integridade, os homens que não se vendem, ainda são reconhecidos no meio da ruína vigente. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds