Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Os Judeus do Séc. XXI

por Fernando Lopes, 17 Mar 13

A propósito do roubo de que foram alvo, a mando da UE, os cipriotas, só me ocorre uma frase de Tomás Vasques, publicada há uns tempos:

 

Os povos do sul da Europa são os judeus do século XXI.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Primeira namorada.

por Fernando Lopes, 17 Mar 13

Desconstruindo o mito de que a memória afectiva das mulheres é superior à dos homens, não sei porque artes, lembrei-me hoje da primeira namorada. O pai de um amigo tinha uma pequena livraria temática em que trabalhava a Anabela. Esse companheiro passava os intervalos a descrever o pequeno anjo:

 

- A Anabela é tão bonita.

- Todos se derretem ao pé da Anabela.

 

À época ela teria 14 anos e eu 16. Órfã de pai, ajudava a manter a família trabalhando durante o dia e estudando à noite.

 

Encanitado com tanta publicidade, pedi-lhe para conhecer o anjo. E se o era. Uns cabelos aos cachinhos, como as bonecas, uma pele clara e uns olhos muito azuis. Trocámos palavras de circunstância. O meu amigo era um jovem particularmente bem parecido  - ainda hoje o é – mas padecia da doença dos gajos bonitos: acha que o seu aparecimento é suficiente para que as mulheres desmaiem perante tal beleza.

 

Fiz uma filha da putice. Numa das visitas, deixei discretamente um bilhete dizendo que gostava dela e que passaria lá no dia seguinte, sozinho. Assim fiz, e conversámos até a livraria fechar. Passei a fazê-lo com regularidade, e apaixonámo-nos. Quando, às 7, encerrava o estabelecimento, íamos para o escritório trocar beijinho castos e falar do futuro.

 

Deve ter durado duas semanas. Já bem depois das 8, pancadas furiosas na porta anunciavam a presença da mãe. Com ar de megera, ameaçou-nos e deu-lhe uma descasca monumental. Quando passei por lá, uma adolescente banhada em lágrimas entregou-me um bilhete dizendo que a mãe a viria buscar todos os dias e a proibira de namorar.

 

Tentei evitar as garras da bruxa, observei-a de longe, sempre sobre marcial vigilância materna, até que desisti, mas guardei aquele bilhete de despedida durante mais de 20 anos, e para sempre a inocência daquele primeiro namoro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

subscrever feeds