Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Longos são os dias, intermináveis as noites.

por Fernando Lopes, 8 Jan 13

Sou, desde sempre, um noctívago. Penso, leio, vivo melhor, à noite. Por um período, longo de décadas, fui actor de vida dupla. Quando o meu amor adormecia, levantava-me, pé ante pé, e tinha momentos de tranquila solidão, tão meus, tão ricos, tão cheios, que parece se passaram noutra vida. Os melhores livros, filmes, ideias, reflexões, aconteceram-me na madrugada, quando nada mais se ouve que o nosso silêncio. Agora, por força de uma doença que me esforço por olvidar, sou obrigado a tomar catrefadas de pastilhas que me induziam num sono profundo. Algo está a mudar. Depois de dias longos, as noites prolongam-se sem fim. Estou a ler "Diário de Inverno" de Paul Auster. Um homem que entrou no Outono da vida, lê sobre o Inverno de outro. Há angústias, memórias, estórias em que me revisito, não à moda de New Jersey, mas como cidadão portuense e português. Paradoxalmente, existem muitas vivências comuns em dois homens separados pelo Atlântico e mais de década e meia de vida. Talvez as experiências de infância, os amores de adolescência, as agruras que sofremos sejam mais similares do que julgamos. O que nos separa submerge num mar de semelhanças.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Eh pá, nos contras diria que não é um cão. Nos pró...

  • Genny

    Tão gira!Mas confessa...já estás rendido à gata, n...

  • Fernando Lopes

    Croissant, meu caro, mas como o povo não sabia fra...

  • Carlos A. de Carvalho

    Que raio são coraças ? Como vou estar por aí a sem...

subscrever feeds