Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Tempo Parado

por Fernando Lopes, 21 Fev 12

Namoraram-se durante a adolescência. Uma relação fugaz, que o tempo não marca senão com memórias ternas. Tinham seguido caminhos diferentes, ela era professora, ele jovem advogado de sucesso. Quis o fado que, anos depois, casados, se encontrassem entre carrinhos de supermercado, papas lácteas e arroz agulha. Da rapariga franzina e tímida já pouco restava. À sua frente estava um mulher de trinta anos, com dois filhos pela mão, elegante, segura de si, e contudo, para lá do que se vê, a adolescente doce que havia amado. Enquanto trocavam banalidades, era como se tudo tivesse parado. Nada existia a não ser a sua presença, a voz calma e compassada, o sorriso doce. Não sabe Pedro se falaram um minuto, uma hora. Os mecanismos da memória embriagaram-se perante afectos que julgava esquecidos. Retira-se, arrastando os miúdos, sem acabar as compras, cambaleante, como se tivesse sido sugado para uma espiral em que, como nos romances, a eternidade existe para ser vencida. Veio-lhe à memória "O Amor Nos Tempos de Cólera" e viu-se protagonista de um romance em que o amor havia vencido o tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Expurgar

por Fernando Lopes, 21 Fev 12

"Limpar (escritos ou livros) de erros, de doutrinas perniciosas, do que não convém à Igreja Católica ou aos governos."
Dicionário Priberam

 

Atrevam-se a ficar três longos anos sem estarem doentes, que logo serão purificados, limpos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Sem Palavras

por Fernando Lopes, 21 Fev 12

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Fernando Lopes

    Filipe, estou em dívida contigo. A vida não tem es...

  • Anónimo

    Já estava na iminência de pedir à PJ a emissão de ...

  • Fernando Lopes

    Gábi, não sou insensível ao drama da deslocação do...

  • redonda

    eu não vou chamar, nada primeiro porque estou muit...

subscrever feeds