Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

...

por Fernando Lopes, 26 Dez 11

Imagem: http://www.stick2target.com/
Pela primeira vez, desde que me conheço como gente, decidimos não trocar presentes, excepção feita às crianças e aos mais velhos. Não foi a falta de dinheiro a base dessa motivação, antes o medo. Em seis meses Passos e sus muchachos conseguiram instalar a penúria nuns e o medo nos outros.

Não havia desemprego nas minhas relações próximas, típicas de classe média. Entretanto tomei conhecimento de uma boa meia-dúzia de casos. Estamos a ser poupadinhos, prudentemente poupados, apesar de  um rendimento razoável. Quem vive do trabalho, com vencimentos razoáveis, encontra-se neste momento num limbo, em que mais vale viver o dia-a-dia, sem loucuras, mas também sem precauções excessivas.

Não temo excessivamente o futuro porque tenho, como diria o Coelho, a "almofada familiar". No caso de as coisas darem para o torto, poderemos sempre fazer um downgrade, vender alguns bens, recorrer a poupanças e à família. As dificuldades que possam surgir, serão, felizmente, ultrapassáveis. Haverá sempre alguns meios financeiros, e quem "nos ponha a mão por baixo".

O que me preocupa são os casos em que as famílias são as primeiras a chegar à classe-média. Esses não têm nada para vender, poupanças para esticar, e nem sequer podem contar com o apoio de pais ou avós. Uma imensa mole que tinha um rendimento de 2.000 euros por mês ou menos, que são os primeiros a ter casa própria, um carro utilitário pago às prestações, a oportunidade de dar algum conforto aos filhos. Com um ou dois elementos  do casal desempregados e sem suporte familiar, como irão sobreviver?

É por isso que me repugna profundamente a ideia de que "andamos a viver acima das nossas possibilidades". Uma mentira repetida à exaustão não se torna, por isso, verdade. O povo português sempre viveu modestamente e agora regressa ao salazarento naco de broa e meia-sardinha.

Anseio pelo dia em que estas pessoas cabisbaixas e envergonhadas pelo desemprego [como se fosse culpa sua], saiam para a rua e defenestrem uma geração inteira de Vasconcelos, que usou o poder e lambuza agora os dedos, com o que resta da nossa esperança.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • alexandra g.

    Ferdinand,não se diz gases, diz-se metano :), mas ...

  • Anónimo

    Já passei pela situação de querer umas bolachas se...

  • Fernando Lopes

    O problema dos ruminantes são os gases, usei a vac...

  • Inês

    "mais ventosidades que uma vaca argentina"?! Já me...

subscrever feeds