Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Olha que dois

por Fernando Lopes, 21 Fev 11


Impossível ficar insensível às noticias que chegam da Líbia, via Al Jazeera. Um mata o seu povo pela força das armas. Deverá ser julgado por crimes contra a humanidade. Outro aniquila-o à fome, e anestesia-o com um pretenso sucesso na execução orçamental. Se bem que incomparáveis, acabam por ser responsáveis pela morte, um por extremínio outro por inanição.

Autoria e outros dados (tags, etc)

O encantador de éguas

por Fernando Lopes, 21 Fev 11

Eu e as meninas em plena troca de afectos
 Para quem, como eu, é um rapaz ou rapariga da cidade, a relação com os animais e o mundo natural é sempre algo de distante. Apesar de ter sido criado numa casa com quintal, em que cohabitavam em paz galinhas e um cão, os animais não são olhados como na aldeia, com uma visão utilitária. No campo, os animais são seres meramente válidos em função do seu fim. As galinhas e porcos são para comer, as vacas e ovelhas valem pela lã e leite, o cão é um animal de guarda. Ponto. Sem rodriguinhos, afectos e coisas do género, que já se sabe onde vão acabar. Eu, que em casa da minha avó, vi galinhas morrerem de velhice (é possível, caso não saibam), mantenho com os animais uma relação afectiva.

Lembro-me de uma visita à aldeia, quando uma criança, pasmei quando me disseram, esta é a galinha que vamos comer ao almoço. Escusado será dizer que a galinha permaneceu intocada no meu prato, para espanto e preocupação de quem me fornecia tamanha delicatessen. Até hoje sou incapaz de comer qualquer coisa que tenha visto vivo, o que presumivelmente já terá salvo a vida temporariamente a vários caranguejos e santolas.

Recentemente estabeleci relações de quase amor, com duas éguas que estão numa propriedade contígua à quinta da avó da minha mulher. Aquilo é uma sessão de paixão correspondida. Levo-lhes maçãs ou cenouras e trago cabeçadinhas, lambidelas, mordiscadas e sei lá que mais. Assim que me vêem, correm para mim à espera não só da comida, mas de uma sessão de carinhos que distribuo com agrado.Sinto-me uma espécie de "encantador de éguas", numa versão latina e anafada do Robert Redford. Como nunca tinha contactado de perto com cavalos, não imaginava o quão afectivos poderiam ser. Estou absolutamente rendido a estes dois equídeos. O almoço dominical tornou-se ainda mais atractivo, pois à sobremesa sou senhor de todos estes mimos, de animais que se me quisessem maltratar, certamente me deixariam em muito mau estado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pesquisar

Pesquisar no Blog

Feedback

  • Anónimo

    Já passei pela situação de querer umas bolachas se...

  • Fernando Lopes

    O problema dos ruminantes são os gases, usei a vac...

  • Inês

    "mais ventosidades que uma vaca argentina"?! Já me...

  • Fernando Lopes

    Esta não é totalmente surda, ouve muito mal mas re...

subscrever feeds